12 outubro 2006

Malícia e ignorância

O primeiro debate entre os candidatos à presidência da república dos bananas mostrou, mais uma vez, quais os mitos cretinos que embalam o nacionalismo trabalhista no bananão. Será fruto de sua ignorância, de sua malícia, ou de ambas, visto não se excluírem logicamente, o candidato da situação dizer que o partido do oponente "destruiu em 400 anos o que nós levamos quatro para construir"? Ou que o partido da hoje oposição "só sabe vender"?

2 comentários:

andre wernner disse...

Podemos dizer, meu caro redator, que esse é o reflexo da falta de jovens lideranças no país.
Cabe salientar que os jovens se afastaram, ou não se motivaram a entrar, definitivamente, para a vida política. E esse afastamento é prejudicial para todos.
Principalmente, se considerarmos que se não houver renovação, sistemática, os 'mesmos' vão tomando cada vez mais às rédeas do poder e fazem e desfazem como temos visto, em causa própria. Porque para o povo, só a esperança em dias melhores.
Mas como virá dias melhores se esses senhores não largam o osso? Ou não se compadecem com a causa pública? Veja esse governo como está infestado de sanguessugas, mensaleiros e tantos outros.
Só a renovação poderá mudar a face do país. Como diz, e muito bem, o senador Cristovam Buarque, precisamos investir em educação. Sem educação e cultura seremos eternamente massa de manobra de políticos inescrupulosos.

Parabéns pelo tema e pela possibilidade do debate.
Abs
Sempre que possível nos visite

bertrand disse...

Pois é Wernner, não há dúvida de, em as pessoas tendo conhecimento histórico, educação, como dizemos, capacidade crítica (aulas de lógica iam bem e não o ensino de matemática moderna - lógica - sem se saber seu fim), uma sociedade pode melhorar. Agora, se elas forem educadas/ensinadas no modelo estatal/privado hoje existente, de matriz coletivista, pior vai ficar. Talvez seria melhor se ficarem ignorantes. Não?