29 agosto 2006

A arte eterna

Se há uma forma de arte cada vez mais rara, nobre, que é mais elevada e requer maior independência e soberania da consciência do artista frente à contaminação presente em derredor, esta é a “arte pela arte”, a arte desprovida de qualquer alinhamento, qualquer engajamento, alheia a qualquer anseio “social” e livre dos ranços de matriz política, sem aquele panfletarismo vulgar.

3 comentários:

Rodrigo Xavier disse...

Olá Eliot,

Concordo com você em 50%. A arte é um dos principais domínios para se perceber e aprofundar o belo e a subjetividade. Ela dialoga com vários elementos, possibilitando um canal de comunicação de maior impacto.

Minha oposição à sua visão, refere-se a um objetivo determinado à arte. Este é o ponto. A arte é ampla e permite várias manifestações e ou interpretações. Não há uma noção absoluta sobre o que seja a arte.

A idéia de “arte pela arte” é dúbia, pois ela possui um discurso que não visa ao eterno ou à nobreza. É o posicionamento do artista em desvencilhar-se de um discurso. Não significa, porém, que seja a “arte definitiva”. Em vários períodos históricos há discursos ideológicos, não necessariamente panfletários, sobre a arte. Quer seja no Renascimento, no Romantismo e até entre os gregos. O “aburguesamento” da arte, por exemplo, foi inaugurado no bojo das criações de artistas, da estirpe de um Rafael, Durer, Tintoreto...

Considero a abordagem sobre arte, mais como uma manifestação livre de idéias, do que uma prerrogativa para estabelecer a verdade ou atingir o eterno. Mas em nenhum momento, você está errado. Você tem apenas uma posição, diferente das diversas que possam coexistir.

Valeu meu amigo. Grande abraço

Claudio disse...

"Não careço tanto de força quanto de ligeireza, nem tanto de idéias quanto de matizes, nem tanto de um acento básico quanto de uma diversidade de tonalidades, nem tanto de luz quanto de sombras, me atemoriza demasiado o que há de comum e de trivial na realidade" HOLDERLIN

"Considero esta uma boa solução para uma época como a nossa, em que não se pode mais continuar a fazer a pintura a óleo que, de quatrocentos ou quinhentos anos de exitência, não tem nenhuma razão de permanecer no domínio da eternidade...a arte está tomando mais a forma de um signo, se você quiser...é o sentimento que me dirigiu durante minha vida" MARCEL DUCHAMP

Oi...não tenho blog...pois gosto de escrever desta maneira e acho que ninguém teria saco de ler...me farto de outra leituras...o blog possibilita a emancipação do eu...em um mundo cada vez mais massificado...o blog se transforma em projeto pessoal de ser alguém...de dizer as coisas...de ser ouvido...e todo este papo da emancipação do eu...singular e egocêntrico...por isto não tenho paciência para blogs...não tenho vontade de saber a opinião do eu emancipado...no universo da cultura virtual...qualquer coisa consultar pierre levy...bem...eu gosto muito de arte...e como os blogs...tratam mais de política...assunto bem mais fácil dar pitacos...me interessei pelo seu texto...oba...pensei...alguém falando de arte...porém a decepção foi grande...me desculpe...mas seu texto não atinge nenhum lugar...será ele representante desta arte eterna...que vc fala?...ou mais um neo...o neoparnasianismo?...já pensei em até emancipar o meu eu...criando um blog...chamaria... perdeu a aula...seria uma ferramenta auxiliar para pessoas como vc...que tem nome de dj?...ou de indie?...cheguei até a pensar que seria uma homenagem ao cantor norte americano elliot smith?...conhece?...vc deveria falar dele e não do trivial slipknot...bem voltando ao seu texto...o nome é texto mesmo...não sei...bem...não entendi o que é arte eterna para vc...parece conversa das minhas velhas tias que enquanto bordam...conversam sobre muitas coisas...bem eu entendo também o relativismo da alta modernidade...mas o seu texto e frágil e limitado...perdeu a aula?...vc sabe o que é arte pela arte?...vc sabe o que é naturalismo?...bem aula 1...o conceito de "arte pela arte" que vc usa...esta ligado aos conceitos de esteticismos...que foi uma doutrina exagerada...defendia que a arte bastava a si mesma...distante de vínculos ideológicos, morais, políticos ou religiosos...entendento esta primeira parte...como a arte pela arte pode ser nobre?...clássica? alma?...criador?...são os pré-rafaelitas?...vc escreve um texto cheio de chavões estéticos/ideológicos e lugares comuns de alguém que quer parecer profundo...e acha que falar de arte e igual a política?...fofo!...vc está enganado!...aula 2...o nome vulgar de esteticismo é a frase "show da xuxa" ARTE PELA ARTE...dando outro significado...se foi a sua tese de doutorado ok!...novas contribuições para o debate contemporâneo...juntamente com Belting...Danto...Rosenberg...Greenberg?...as palavras podem ter sentido restrito...ou é um texto literário?...o termo é atribuído ao filósofo francês Victor Cousin, que ministrou algumas aulas na Sorbonne e essas aulas foram publicadas em 1836...em solo inglês remonta a um estilo exagerado...muito distante da sua arte do eterno...que foi atacada por Thomas de Quincey no texto SOBRE O ASSASSINATO VISTO COMO BELAS ARTES...bem os dobramentos em solo inglês foi a arte imbuía de goticismos dos pré-rafaelitas...ou o retrato de dorian grey...da ultrabiba...oscar wilde...sem falar do william morris...ruskin...até tolstói...em uma obra menor "o que é arte" fala sobre uma suposta arte pela arte...esta versão exagerada não vingou no século XX...porém ela sempre esteve presente de manerira amena e não kitsch...em boa parte da produção do século XX...atingindo teorias formalistas até a anti-arte dos dadas...então como vc começa o texto dizendo que ela é rara hoje?...vc é classicista é não sabe o que é isso...arte que permanece?...supera a passagem das épocas?...verdade absoluta?...vc não está citando neste texto medonho...o nosso amigo hegel e o seu espírito absoluto e o determinismo histórico...tá???...espero que não!...posicionamentos como o seu tá mais para performance...efêmero...não tem sustentação para ser eterno...~ultima coisa...o verbo inspira a mente dos pintores medievais que...vc é cristão?... estes assuntos só na próxima aula...dever de casa...meditar até alma vibrar com holderlin e o super- marcel do início do texto...os três pontinhos!!!!...sabe pq três pontinhos?...não tem nada haver com pontuação...mas sim...com o ponto...uma homenagem ao ponto... é lindo... é o menor sinal gráfico...cláudio.

Eliot D. Chambers disse...

Rodrigo,

Também concordo que a "arte pela arte" não seja a arte definitiva. No momento em que escrevi não levei em conta a dubiedade do conceito, que você bem aponta.

Você diz que considera a abordagem sobre arte mais como uma manifestação livre de idéias. Eu também. O que eu disse é que nessas idéias que reside a força da arte. O que você entendeu e estamos concordes.

Muito obrigado pelo comentário enriquecedor.

Abraço.

Claúdio,

Cara, você conseguiu ser mais chato do que eu. Mas relaxe. É só um post.

Suas tias velhas devem ser legais. Não fale assim delas.

Parabéns e obrigado. A verdadeira apoteose é a vaia, lembrava Nélson Rodrigues.