24 novembro 2006

O Inferno de Verissimo

Que o Verissimo, eterno defensor do fracasso, só escreve besteira quando tenta falar de política e economia, todos já sabem – ou deveriam saber. Sei de muitos que simplesmente ignoram a coluna do escritor, que deveria focar nas comédias do cotidiano. Mas eu não. Talvez por masoquismo, não sei ao certo, dou-me ao trabalho de ler as porcarias que ele escreve. Preciso sempre de um Engov, é verdade. Mas na sua última coluna, Céu ou Inferno, onde o gaúcho faz um julgamento sobre o possível destino da “alma” de Milton Friedman, não teve remédio que segurou o forte enjôo. Fosse apenas muita ignorância, vai lá! Mas Verissimo não é do tipo ignorante. Logo, fica restando apenas uma alternativa: a perfídia. A ideologia faz canalhas, quando sua defesa passa a ser mais importante que a verdade dos fatos.

Um comentário:

Cezar disse...

Que conhecimento esse indivíduo tem de economia para julgar o trabalho de Friedman? Vive enfurnado no meio de livros de viés esquerdista para, intoxicado de marxismo, lançar com seu estilo irônico juízos sobre alguém moral e intelectualmente inalcançável por sua patética pessoa! Veríssimo: um triste representante do socialismo caviar.